Pular para conteúdo
ACESSAR Esportes bet365
Yassine Bounou/Bono (Marrocos)
  1. Futebol

Os candidatos a Futebolista Africano do Ano

Dez homens têm a possibilidade de receber daqui a quinze dias o prêmio de melhor jogador da CAF.

No próximo dia 11, a cidade marroquina de Marraquexe sediará a cerimônia em que a CAF (Confédération Africaine de Football) premiará os melhores do futebol africano. Esse evento, chamado CAF Awards (Prêmios CAF), se realiza quase todos os anos desde 2000. seguem-se as categorias (tanto para homens como para mulheres) em 2023.

  • Jogador(a) do Ano
  • Goleiro(a) do Ano
  • Jogador(a) Interclubes do Ano*
  • Jogador(a) Jovem do Ano**
  • Treinador(a) do Ano
  • Seleção do Ano
  • Clube do Ano
    *melhor em atuação na África
    **melhor abaixo de 21 anos

Antes que houvesse Prêmios CAF já havia o prêmio Jogador do Ano: 1992 foi quando a Confederação Africana de Futebol pela primeira vez distinguiu o melhor futebolista do continente. Além disso, entre 1970 e 1994 a revista France Football elegeu o seu Ballon d’Or africano, e entre 1991 e 2003 a revista Afrique Football elegeu o seu Etoile d’Or.

Todas as outras seis categorias dos Prêmios CAF valeriam uma análise (principalmente a de Jogador Jovem do Ano); mas, por ser Jogador do Ano a mais prestigiada e antecipado de todas, é nela que focaremos.

A escolha dos candidatos

Em 31 de outubro, a Confederação Africana de Futebol anunciou as suas listas com os atletas e equipes que poderiam ser premiados nos Prêmios CAF 2023. Essas listas foram elaboradas a partir das opiniões de três grupos de pessoas: especialistas da confederação, ex-jogadores e profissionais da imprensa. Para a eleição dos vencedores serão levados em conta também os votos de técnicos e jogadores em atividade.

Em 17 de novembro, a CAF anunciou os finalistas para cada categoria. Até então havia trinta possíveis vencedores em Jogador do Ano; agora há apenas dez. Entre os eliminados nessa triagem merecem destaque o zagueiro/lateral-esquerdo argelino Ramy Bensebaïni (Borussia Dortmund), o centroavante guineano Serhou Guirassy (Stuttgart) e o meia/atacante marroquino Hakim Ziyech (Galatasaray). eis a lista final.

naçãojogadorclube
ArgéliaRiyad MahrezAl-Ahli
CamarõesAndré-Frank Zambo AnguissaNapoli
CamarõesVincent AboubakarBesiktas
EgitoMohamed SalahLiverpool
MarrocosAchraf HakimiParis Saint-Germain
MarrocosSofyan AmrabatManchester United
MarrocosYassine BounouAl-Hilal
MarrocosYoussef En-NesyriSevilla
NigériaVictor OsimhenNapoli
SenegalSadio ManéAl-Nassr

Quem pode vencer de novo

Dos atletas acima listados, três já venceram o prêmio Futebolista Africano do Ano: o argelino Riyad Mahrez, em 2016, o egípcio Mohamed Salah, em 2017 e 2018, e o senegalês Sadio Mané, em 2019 e 2022. (em 2020 e 2021 não houve premiação.)

Salah e Mané têm em 2023 a chance de se igualarem ao liberiano George Weah e ao ganês Abedi Pele em número de conquistas. Mas os recordistas, com quatro vitórias, seguirão sendo o camaronês Samuel Eto’o e o marfinense Yaya Touré.

O efeito Catar

Marrocos conta com quatro representantes entre os dez finalistas, mais do que qualquer outro país. Não é difícil entender o porquê disso. Em Catar 2022, os leões-do-atlas tornaram-se a primeira seleção do continente africano a alcançar a fase semifinal de uma Copa do Mundo.

Naquele torneio brilharam principalmente o lateral-direito Achraf Hakimi e o meio-campista Sofyan Amrabat. O goleiro Yassine Bounou e o atacante Youssef En-Nesyri foram incluídos muito devido ao que fizeram a serviço do Sevilla na campanha que culminou no título da Liga Europa 2022–23.

Ainda sobre a Copa do Mundo, talvez ela seja o principal motivo da inclusão do camaronês Vincent Aboubakar. Os leões indomáveis caíram na fase de grupos, mas o atacante marcou dois gols (inclusive o da primeira derrota do Brasil para uma seleção africana em Mundiais da FIFA).

Os heróis de Nápoles

A inclusão de outro camaronês, o volante André-Frank Zambo Anguissa, se explica principalmente pelo seu papel no Napoli durante a temporada passada. A equipe da Campânia venceu a Serie A após 33 anos (com cinco rodadas de antecedência), e o «polvo azul» foi titular indiscutível sob o comando do hoje treinador da seleção italiana, Luciano Spalletti.

É também por isso que, apesar dos inegáveis méritos dos outros nove atletas que podem ser eleitos o melhor africano, o favorito é mesmo o atacante nigeriano Victor Osimhen. As superáguias nem sequer se classificaram à mais recente Copa do Mundo, mas o que o camisa 9 dos partenopei fez no bel paese em 2022–23 não será esquecido tão cedo.

Osimhen marcou 26 gols em 32 partidas daquele Campeonato Italiano, e nesse percurso quebrou dois recordes: o de africano com mais gols em uma única temporada de Serie A (recorde esse que até então pertencia a Eto’o, ex-jogador da Internazionale) e o de africano com maior número de gols na Serie A (recorde esse que pertencia a Weah, ex-Milan).

Concluímos com a observação de que, se confirmar o seu favoritismo, o nigeriano será o primeiro a vencer os prêmios de Jogador do Ano e de Jogador Jovem do Ano (o qual conquistou em 2015). O único outro candidato que pode conseguir esse mesmo feito no próximo dia 11 é Hakimi, que foi o Jogador Jovem do Ano duas vezes (em 2018 e 2019).

Artigos Relacionados

A bet365 utiliza cookies

Nós utilizamos cookies para oferecer um serviço melhor e mais personalizado. Para mais informações, consulte a nossa Política de Cookies

Novo na bet365? Obtenha até R$200 em Créditos de Aposta

Registre-se

A conta deve estar verificada antes da ativação. Retornos excluem valor de aposta em Créditos de Aposta. São aplicados T&Cs, limites de tempo e exclusões.