Pular para conteúdo
Registre-se
Juninho Pernambucano (Olympique de Lyon)
  1. Futebol
  2. Outras Ligas

Brasileiros que são considerados os maiores ídolos de clubes estrangeiros

Dos muitos brasileiros que brilharam no exterior, alguns podem ser tidos inclusive como os ídolos máximos desses clubes.

[Artigo originalmente publicado em 3 de setembro de 2022.]

A história de futebolistas nascidos no Brasil que jogaram em outros países remonta ao início do século XX e é repleta de casos de sucesso.

Nomes como Evaristo de Macedo, Mazzola, Falcão, Careca, Roberto Carlos e Kaká são apenas alguns dos muitos que podem ser citados.

Poucos brasileiros, no entanto, são considerados os maiores ídolos de clubes estrangeiros. E é desses que falaremos a seguir.

Fiorentina: Julinho Botelho

Tendo jogado por dois clubes de São Paulo, Juventus da Mooca e Portuguesa, o ponta-direita Julinho Botelho chegou à Fiorentina, da Itália, em 1955, após ter sido um dos poucos destaques do Brasil na Copa do Mundo do ano anterior. 

Logo em sua primeira temporada em Florença, Julinho conquistou o Campeonato Italiano — o primeiro da história do clube. Nos anos seguintes foi vice-campeão europeu uma vez e vice-campeão italiano duas vezes, antes de voltar ao Brasil para jogar no Palmeiras.

PSV: Romário

Após a conquista do bicampeonato estadual pelo clube em que começou, o Vasco, Romário foi o artilheiro do torneio de futebol das Olimpíadas de Seul, em 1988 (do qual o Brasil foi vice-campeão). Naquele mesmo ano transferiu-se para o PSV, da Holanda.

Pelo clube de Eindhoven, o ''Baixinho'' conquistou três Campeonatos Holandeses, duas Copas da Holanda e uma Supercopa da Holanda. O sucesso dessa primeira experiência na Europa chamou a atenção do Barcelona, para onde o atacante se transferiu em 1993.

Deportivo de La Coruña: Mauro Silva

Tendo começado entre os profissionais no Guarani, o volante Mauro Silva foi possivelmente o grande nome do Bragantino campeão paulista em 1990 e vice-campeão brasileiro em 1991. No ano seguinte, partiu para o Deportivo de la Coruña, da Espanha.

Mauro Silva foi um dos poucos a participar de todas as seis grandes conquistas da história do clube galego: um Campeonato Espanhol, duas Copas del Rey e três Supercopas da Espanha. O volante continuaria na Corunha até se aposentar, em 2005.

Paris Saint-Germain: Raí

Raí começou a carreira no Botafogo de Ribeirão Preto e se consagrou no São Paulo, quando foi o herói da conquista da Copa Intercontinental de 1992. No ano seguinte, o Tricolor do Morumbi o vendeu aos franceses do Paris Saint-Germain.

Na ''cidade luz'', o meia brasileiro conquistou sete títulos: um Campeonato Francês, duas Copas da França, duas Copas da Liga Francesa, uma Supercopa da França e uma Recopa Europeia. Em 1998, retornou ao São Paulo.

Olympique de Lyon: Juninho Pernambucano

O meia Juninho Pernambucano começou a carreira no Sport e se consagrou no Vasco, onde conquistou (dentre outros títulos) uma Copa Libertadores e dois Campeonatos Brasileiros antes de se transferir, em 2001, para o Olympique de Lyon, da França.

Esse recifense participou da conquista dos sete Campeonatos Franceses da história dos Gones, bem como de uma Copa da França e de seis Supercopas da França. Em 2009, partiu para o Al-Gharafa, do Catar.

Fenerbahçe: Alex

Alex começou a carreira no Coritiba e teve passagens vitoriosas por Palmeiras (com destaque para a conquista da Copa Libertadores) e Cruzeiro (onde conquistou o Campeonato Brasileiro) até chegar, em 2004, ao Fenerbahçe, da Turquia.

Pelo clube da parte asiática de Istambul foram três títulos do Campeonato Turco, um da Copa da Turquia e dois da Supercopa da Turquia. Em 2013, o meia curitibano retornou ao Coritiba, onde se aposentou no ano seguinte.

Será Neymar o próximo?

Como qualquer fã de futebol sabe, o principal jogador brasileiro da atualidade é Neymar, que joga desde 2017 pelo PSG. E isso nos leva a pensar na possibilidade de o ex-santista destronar o ex-são-paulino Raí como o grande ídolo histórico dos parisienses

Neymar já faz parte da galeria dos que deixaram a sua marca no Rouge et Bleu, pelos quais conquistou doze títulos: quatro do Campeonato Francês, três da Copa da França, dois da Copa da Liga Francesa e três da Supercopa da França.

Um fator que joga contra o atacante brasileiro na discussão quanto à possibilidade de considerá-lo algum dia o ídolo máximo do PSG é a percepção (por parte de torcedores e da imprensa) de que falta comprometimento ao atual camisa 10 da equipe da capital francesa.

Outras perspectivas

Seria difícil pensar em outros brasileiros da atualidade que poderiam assumir o estatuto de ídolo máximo de um clube europeu. Vini Jr. tem tudo para fazer história no Real Madrid; mas como poderia ele ou qualquer um superar Alfredo Di Stéfano ou Cristiano Ronaldo?

Talvez tenhamos a resposta à pergunta feita acima nos próximos anos. Mesmo que não seja o caso, é provável que até lá outros brasileiros se destaquem no exterior — e, então, inevitavelmente nos perguntaremos o quão longe esses futuros talentos poderão chegar.

A bet365 utiliza cookies

Nós utilizamos cookies para oferecer um serviço melhor e mais personalizado. Para mais informações, consulte a nossa Política de Cookies