Pular para conteúdo
ACESSAR Esportes bet365
futebol
  1. Futebol
  2. Histórias do esporte

Astros que nunca ganharam o Ballon D´Or

Mesmo em temporadas de grande sucesso e com carreiras recheadas de glória, são vários os jogadores de futebol que se aposentaram sem ter vencido o Ballon D´Or.

Olhando apenas desde o ano 2000, fizemos uma seleção desses astros (sem qualquer ordem preferencial). Verifique:

Gianluigi Buffon

Com exceção de Lev Yashin em 1963, os goleiros simplesmente não ganham a Ballon D’Or. Mas se alguém poderia, seria Gianluigi Buffon.

Ele ganhou praticamente tudo o que há para ganhar no futebol, tanto individualmente quanto em equipe. 10 medalhas de campeão da Serie A, 13 vezes goleiro do ano da liga italiana, três vezes vice-campeão da Liga dos Campeões - negado apenas em 2003 por uma disputa de pênaltis (onde ele entraria no top 10 do Ballon D’Or) - e uma Copa do Mundo.

Thierry Henry

Um dos jogadores de sua geração, Thierry Henry ficou em segundo lugar, atrás de Pavel Nedved, em 2003, apesar de ter se tornado o primeiro jogador a registrar mais de 20 gols e assistências em uma única temporada em uma das cinco principais ligas europeias - feito que não foi igualado até 2020, por Lionel Messi.

Ele seria uma peça-chave dos Invencíveis do Arsenal e, até hoje, tem a melhor relação de gols por jogo na Premier League entre todos os jogadores que marcaram mais de 100 gols.

Talvez o que o tenha impedido de vencer o troféu tenha sido sua falta de sucesso na Europa, chegando a apenas uma final da Liga dos Campeões, e seu sucesso internacional ter ocorrido antes de seu auge.

Henry ficou em terceiro lugar em 2006 (atrás dos vencedores da Copa do Mundo Fabio Cannavaro e Gianluigi Buffon), ano em que chegou às finais da Liga dos Campeões e da Copa do Mundo, perdendo ambas.

Se Jens Lehmann e Zinedine Zidane não tivessem sido expulsos, se o pênalti de David Trezeguet tivesse sido um centímetro mais baixo, Henry poderia muito bem ter sido excluído desta lista.

Xavi

Com Cristiano Ronaldo e Lionel Messi em seu auge, Xavi ficou em terceiro lugar na votação do Ballon D’Or em 2009, 2010 (onde perdeu o segundo lugar por menos de 1% dos votos) e 2011, tendo ainda ficado entre os cinco primeiros em 2008 e 2012.

O espanhol não foi apenas fundamental para o que muitos consideram o melhor time de todos os tempos, mas talvez também para a incrível seleção espanhola que venceu três torneios consecutivos (Euro 2008, Copa do Mundo 2010 e Eurocopa 2012).

Xavi foi prejudicado no início de sua carreira no Barcelona por ser escalado em um meio-campo repentinamente sem Pep Guardiola, como parte de uma equipe em grande transição e só chegaria à final da Liga dos Campeões em 2006, já com 26 anos.

Entre as temporadas de 2008/09 e 2010/11, Xavi registrou dois dígitos de assistências na LaLiga em cada ano, e se não fosse a habilidade da Inter de José Mourinho, poderia muito bem ter feito três dobradinhas no Campeonato Espanhol e na Liga dos Campeões.

Apenas a crescente proeminência de seu parceiro de meio-campo, Iniesta, ofuscou Xavi em seus últimos anos, mas em seu auge, ele era intocável. 2010 foi um dos poucos anos em que a revista World Soccer se desviou da Ballon D’Or e o nomeou o Jogador do Ano.

Andrés Iniesta

É quase impossível compará-los. Ambos são jogadores de classe mundial, ambos são peças-chave dos melhores clubes e equipes internacionais que já jogaram, mas Andrés Iniesta leva a melhor sobre Xavi aqui.

2010 foi o ano em que Iniesta chegou mais perto da Ballon D’Or, vencendo o Campeonato Espanhol e marcando o gol da vitória na final da Copa do Mundo, perdendo para o companheiro de clube, Lionel Messi.

É quase injusto colocar Xavi e Iniesta um contra o outro, e eles poderiam facilmente dividir o primeiro lugar desta lista, mas Iniesta esteve mais tempo no mais alto nível, o que lhe confere alguma superioridade sobre o colega.

Ele foi nomeado para o FIFPro World XI em nove anos consecutivos, contra seis de Xavi, ganhou o prêmio de melhor meia da La Liga cinco vezes, contra duas de Xavi (ainda que o ano inaugural do prêmio tenha sido 2008/09), e quatro prêmios nacionais a mais do que Xavi.

No entanto, notavelmente, o maior prêmio individual do futebol escaparia de ambos.

Artigos Relacionados

A bet365 utiliza cookies

Nós utilizamos cookies para oferecer um serviço melhor e mais personalizado. Para mais informações, consulte a nossa Política de Cookies

Novo na bet365? Obtenha até R$200 em Créditos de Aposta Registre-se

A conta deve estar verificada antes da ativação. Retornos excluem valor de aposta em Créditos de Aposta. São aplicados T&Cs, limites de tempo e exclusões.