Pular para conteúdo
Registre-se
Pepê (Porto)
  1. Futebol
  2. Seleção do Brasil

As chances de vermos Pepê e Evanilson na seleção brasileira após o Mundial

Dois brasileiros do Futebol Clube do Porto são candidatos a defender a Canarinho em 2023.

Artigo originalmente publicado em 4 de julho de 2022.

Na temporada europeia terminada no último mês de maio, o Porto foi campeão tanto da Primeira Liga (com um aproveitamento de 89,2%) quanto da Taça de Portugal.

Em 19 de março, quando questionado a respeito da não convocação do meia Vitinha para a seleção portuguesa, o técnico da equipe, Sérgio Conceição, disse ''Todos os jogadores do FC Porto estão prontos para as seleções, independentemente da nacionalidade''.

Se quisermos entender essa declaração, precisamos ter em conta aquele que, então, podia ser considerado o time-base dos azuis e brancos: Diogo Costa; João Mário, Mbemba, Pepe e Zaidu; Otávio, Uribe, Vitinha e Pepê; Evanilson e Taremi.

Desses onze jogadores, oito haviam sido convocados para defender as seleções principais de seus respectivos países em partidas que seriam realizadas no fim daquele mês.

Entre as três exceções estavam justamente os dois titulares brasileiros (isso, é claro, se descontarmos que Pepe e Otávio são naturalizados portugueses): o ponta Pepê e o centroavante Evanilson.

A pergunta que surge a partir daí não poderia ser outra: quais as chances desses dois jogadores — ambos com passagens pela seleção brasileira sub-23 — terem sua primeira oportunidade na seleção principal do Brasil a partir de 2023?

A trajetória de Pepê

Antes do início da temporada passada, a grande estrela do Porto era o ponta-direita mexicano Jesús ''Tecatito'' Corona. Pepê, recém-chegado do Grêmio, disputaria a titularidade na ponta esquerda com o colombiano Luis Díaz.

Mas logo nos primeiros compromissos de 2021–22, dada a evidente falta de interesse de Corona de continuar no Porto (ele que era cobiçado por clubes como o Sevilla, para o qual se transferiria em janeiro), Luis Díaz já havia assumido o seu lugar no onze inicial.

De fato, o colombiano fez muito mais do que isso, e rapidamente se tornou não só o craque da equipe como de toda a Primeira Liga. Enquanto isso, Pepê entrava no decorrer dos jogos, sendo preparado para sucedê-lo quando Díaz fosse embora.

Esperava-se que a saída de Díaz acontecesse apenas ao fim da temporada, mas já em janeiro o Porto o vendeu ao Liverpool. Com isso, Pepê, o iraniano Mehdi Taremi e a joia da base Fábio Vieira passaram a disputar duas vagas entre o meio-campo e o ataque. 

A qualidade desses três potenciais titulares era tamanha que, provavelmente para não deixar nenhum deles de fora, Sérgio Conceição passou a escalar Pepê na lateral-direita (no lugar de João Mário, ele próprio também um ponta adaptado à lateral).

Em sua nova função, o brasileiro apresentou um desempenho satisfatório, mas o mais importante era que — fosse como lateral ou como ponta — Pepê havia se tornado um atleta da confiança de Conceição (tanto é que seguiu como titular até o fim da temporada).

A trajetória de Evanilson

Ao fim de 2020–21, o atacante malinês Moussa Marega deixou o Porto após cinco anos. Com isso, a expectativa era de que Taremi continuasse como a principal referência ofensiva da equipe, mas desta vez acompanhado do espanhol Toni Martínez.

Foi exatamente o que se viu nas primeiras partidas da temporada, nas quais Evanilson (que chegou ao clube português em setembro de 2020, vindo do Tombense) foi um suplente nem sempre utilizado.

O estatuto do brasileiro começou a mudar no início de outubro, quando Conceição viu nele uma opção melhor do que Martínez para atuar ao lado de Taremi, por considerá-lo um jogador mais refinado e que daria mais mobilidade à equipe.

A percepção de tais qualidades é fundamental para entender a manutenção de Evanilson entre os titulares do Porto, ainda que a sua média de gols ao longo da temporada não tenha sido assim tão notável. (Foram 21 marcados em 46 jogos.)

É também devido a tais qualidades que se entende o porquê de Conceição tê-lo mantido no onze inicial mesmo quando os dragões atuavam com apenas um centroavante (enquanto Taremi passou a atuar mais aberto).

O futuro dos dois brasileiros

Por tudo o que se disse até aqui, não surpreende que recentemente o Porto tenha recebido propostas tanto por Pepê quanto por Evanilson por parte de clubes da Premier League.

No caso de Pepê, foi noticiado que os portugueses receberam uma proposta de 35 milhões de euros do Newcastle; no caso de Evanilson, falou-se de uma proposta na casa dos 60 milhões de euros do Manchester United. Ambas recusadas.

É provável que por trás de tais recusas exista a confiança de que, com uma boa participação do clube na próxima Liga dos Campeões da UEFA, o valor de mercado de Pepê e Evanilson cresça ainda mais.

E, levando-se em conta a evolução dos dois brasileiros em 2021–22, esse voto de fé em ambos parece ter boas chances de resultar também em muito aguardadas convocações para a seleção brasileira principal.

A bet365 utiliza cookies

Nós utilizamos cookies para oferecer um serviço melhor e mais personalizado. Para mais informações, consulte a nossa Política de Cookies